Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

Não descuide da saúde

Publicado por:
08 jul

05.11 (1)

Em nome da pressão no trabalho e da falta de tempo, as pessoas, em geral, estão desconsiderando os cuidados com a saúde. Por isso, é cada vez mais comum, hoje em dia, encontrarmos profissionais que apresentam picos de pressão, quadros de ansiedade ou que estão constantemente cansados e adoentados. É claro que o trabalho não pode ser deixado de lado, mas, em algum momento, a falta de atenção e cuidado com a própria saúde irá cobrar seu preço.

Ter um corpo e uma mente saudável está diretamente ligado à produtividade e motivação na vida profissional. Além disso, as empresas não gostam de profissionais que estão constantemente doentes, por mais compreensivas que sejam. Por isso, é preciso administrar a carga de trabalho em função das nossas condições físicas e emocionais, atentando para os sinais do corpo. Afinal, todo mundo tem suas limitações.

O segredo, então, é se cuidar de forma preventiva, do contrário podemos adoecer com mais facilidade e aí teremos que arrumar muito mais tempo para nos cuidar. Nesse caminho, incluir algumas atitudes no nosso dia a dia pode ajudar:

1. Faça exames completos de rotina pelo menos uma vez por ano;
2. Cuide do que você come. Evite pular refeições ou ter como base da sua alimentação comidas sem valor nutricional como lanches e congelados;
3. Cuide do sono. Procure dormir as horas necessárias para o bem-estar do seu corpo e mente;
4. Faça atividades físicas ou de relaxamento que ajudem a regular o estresse;
5. Busque fazer atividades prazerosas nas horas vagas. É importante dedicar um tempo do dia para si mesmo.

Em resumo, é preciso saber reconhecer os próprios limites e não negligenciar os cuidados com a saúde. Lembre que um prejuízo dessa natureza pode fazer com que você seja menos competitivo na empresa em que atua ou no mercado de trabalho.

Como não ser visto como “filho do dono”?

Publicado por:
04 jul

7.1 estagio trainee11

As empresas familiares representam cerda de 50% do PID do país. É natural que seus fundadores, pensando na continuidade do negócio, invistam no planejamento sucessório contando principalmente com seus filhos, sobrinhos e netos no comando da organização. Entretanto, para esses jovens que optarem por construir suas carreiras na empresa da família, é válido refletirem sobre como buscar ser reconhecido profissionalmente não sendo vistos apenas como “filhos, sobrinhos ou netos do dono”.

Em primeiro lugar, a entrada na empresa da família precisa ser uma escolha por identificação com o negócio e perfil de competência. A situação já começa errada se alguém escolher, por exemplo, entrar apenas ter emprego e renda garantidos fazendo pouco esforço ou por falta de oportunidade no mercado de trabalho. Passada essa etapa e se realmente trabalhar na empresa da família for a escolha do profissional e da organização, vale seguir algumas dicas:

1. Haja de acordo com o seu cargo na empresa. É preciso se colocar como parte da equipe em que está incluído, seguindo as regras que valem para todos;
2. É importante não usar o vínculo familiar para usufruir de um lugar diferente na empresa, como, por exemplo, usar a secretária da diretoria para assuntos pessoais, usar a sala do pai, enfim, solicitar “favores” que possam reforçar uma relação privilegiada por ser alguém da família do dono;
3. Quando tiver problemas ou discordâncias em casa, não leve esses assuntos para serem tratadas no trabalho e vice-versa. O que acontece na família deve permanecer na família;
4. Cuidado para não atropelar a hierarquia. Usar o acesso que tem à família para resolver questões da equipe em que faz parte não é recomendado. Deixe que o gestor trate dos assuntos referentes à equipe, pois isso é parte da função dele.

Em resumo, manter o enquadramento adequado e ter uma atitude profissional vai fazer com que o reconhecimento e respeito pela sua competência aconteçam naturalmente.

Riscos de escolher uma profissão sob pressão

Publicado por:
29 jun

02.1

Ao longo da vida temos que fazer várias escolhas, mas uma das mais difíceis é a escolha profissional. E o que vemos atualmente são jovens, recém-saídos da adolescência, tendo que tomar uma decisão muito importante e que poderá definir seu futuro.

Na hora de fazer a escolha profissional, os jovens de hoje são bombardeados pelas inúmeras oportunidades de carreiras existentes e ainda precisam lidar com a pressão dos pais e dos seus grupos de amizades. Mas o grande problema é que, na maioria das vezes, esses jovens não têm conhecimento nem informações suficientes para escolher uma carreira; às vezes têm uma imagem idealizada da profissão, sem entender o que, de fato, ela é na prática.

E quando a escolha é feita pelos motivos errados, o que acontece é que, no futuro, o profissional pode se ver em uma encruzilhada. A falta de identificação com a profissão pode gerar muita insatisfação e desmotivação com a própria carreira. Tudo isso porque, lá no início, ele fez uma escolha equivocada.

Em resumo, não adianta tomar uma decisão tão importante por pressão, sem conhecimento ou só para “fazer uma frente” com os familiares ou amigos. Se o jovem não se sente seguro com a escolha, pode ser melhor adiar um pouco a entrada na faculdade para tomar uma decisão mais consciente e com mais chances de sucesso. Pior será iniciar uma gradução e depois de dois ou três anos ter certeza de que não era o que queria.

Mas neste meio tempo, vale seguir algumas dicas que poderão ajudar na escolha: faça uma orientação vocacional, busque informações sobre a profissão desejada, visite empresas que atuam na sua área de interesse, converse com profissionais para entender a realidade do mercado ou até mesmo invista em cursos tecnólogos, que são menos extensos e já inserem o jovem no mercado de trabalho. E lembre-se: essa é uma escolha individual e que deve ser levada a sério. Mas, se mesmo depois de ter escolhido com cautela, a carreira não se mostrar como o esperado, nada nos impede de mudar de trajetória.

Cuidado para não ser irresponsável com a própria carreira

Publicado por:
27 jun

06.1 motivação11

Diante de um cenário econômico instável, em que as oportunidades de emprego estão reduzidas, os profissionais precisam estar mais abertos para encarar desafios às vezes diferentes do seu projeto de carreira. Entretanto, essa flexibilidade, apesar de necessária, tem que ser feita com cuidado.

Muitas vezes, diante de pressão de estar sem emprego e da falta de oportunidade na sua área de atuação, os profissionais precisam ampliar os horizontes e partir em busca de vagas em funções diferentes daquelas onde têm a experiência já consolidada. Mas é preciso, antes de tudo, cuidar para não cair em armadilhas, como mudar radicalmente de trajetória profissional, entrar em empresas que não agregam ao currículo ou até mesmo se colocar em uma situação de incompetência.

Isso porque quando resolvemos concorrer a um cargo sobre o qual não temos conhecimento nem experiência, com funções que não dominamos ou não temos afinidade, corremos um sério risco de fracassar, o que com certeza deixará uma mancha em nosso currículo. Vale lembrar que a mudança de rota pode ser uma oportunidade ou uma ameação à carreira profissional, quando não há perfil requerido ou identificação com a nova atividade.

Tenha visibilidade de até onde você pode ir, quais são as suas competências e quais funções tem capacidade de assumir. Se não tem facilidade com cálculos, por exemplo, não se coloque em um cargo que exija lidar com números. Ou se não tem disponibilidade para viajar várias vezes ao mês, não concorra a uma função em que viajar seja exigência.

E caso opte realmente por uma mudança mais radical, antes de assumir, veja o que precisa ser ajustado para que tenha êxito. Planeje junto com a empresa os investimentos e as condições que serão necessárias para que os resultados possam ser alcançados, considerando o seu momento de aprendizado ou adaptação.

Não tenho uma boa relação com meu gestor. O que fazer?

Publicado por:
22 jun

7.1 estagio trainee11

Não tenho uma boa relação com meu gestor imediato. Não me sinto à vontade para me aproximar e nem tenho confiança para tratar de questões mais delicadas com ele. O que fazer?

De fato, não é uma situação confortável, afinal, um bom relacionamento com o gestor é fundamental para o desenvolvimento do trabalho e quando isso não está acontecendo é importante parar para refletir um pouco e buscar alternativas de melhoria. Até porque, na maioria das empresas não é possível escolher quem vai nos gerenciar e com quem vamos trabalhar, portanto, se a intenção é manter-se no emprego, resgatar a relação com o chefe é o melhor a ser feito.

Um primeiro passo importante neste caminho é identificar quais são os motivos dessa desconfiança; tentar recordar se realmente é fundamentada em acontecimentos recorrentes, se foi gerada por algum episódio pontual ou se é fruto de algum tipo de preconceito. Muitas vezes, nos deixamos levar por impressões que não são necessariamente nossas – comentários de colegas que podem não condizer com a realidade, ou por posturas já superadas, mas que ficaram cristalizadas à imagem do gestor.

A dificuldade também pode estar ancorada na falta de sintonia entre as duas partes, seja por diferenças de estilo, de culturas, etc. Independente do motivo, é essencial fazer essa reflexão e buscar uma solução possível. Uma dica é tentar mudar a forma de enxergar o problema e procurar algo de positivo nessa relação: características comuns ou momentos em que a contribuição do chefe tenha sido válida.

Mas, mesmo fazendo esse investimento na relação, ainda assim é possível que o mal estar permaneça. Nesses casos, a recomendação é sempre deixar todas as questões relativas ao trabalho muito bem pactuadas e formalizadas: resultados esperados, metas, acordos de trabalho etc. Tudo isso para não correr o risco de deixar espaço para mal-entendidos que possam piorar ainda mais a desconfiança.

No fim das contas, a grande recomendação é tratar a questão o mais profissionalmente possível, sem levar as dificuldades para o campo pessoal nem fazer tempestade em copo d’água. É preciso ficar atento e preservar o objetivo comum que é gerente e equipe trabalhando para contribuir com o sucesso da empresa.

O que fazer quando, numa empresa familiar, alguém da família não cumpre um bom papel?

Publicado por:
20 jun

10.21

Sou gestor em uma empresa familiar e tenho na equipe um profissional que é da família, mas que tem dificuldade de respeitar as regras da organização. Falta sem comunicar, perde prazos e descumpre acordos frequentemente. O que devo fazer?

Não é uma situação tão simples de resolver já que estamos falando de um profissional que tem um vínculo familiar com os donos da empresa – pode ser um filho, sobrinho, irmão etc. Mas independente de quem seja, o gestor não pode colocar em risco a gestão da sua equipe e o atingimento dos resultados, portanto, mesmo sendo difícil, o tratamento da situação é imperativo.

Por mais que seja uma tarefa ingrata para o gestor tratar de situações de falta de compromisso de um profissional da família, não fazê-lo pode causar um prejuízo ainda maior no grupo, instalando-se uma situação de proteção e privilégio. Claro, existe o medo de que a tratativa leve a algum tipo de retaliação, mas é importante lembrar que faz parte das responsabilidades do líder manter o bom padrão de desempenho de sua equipe e esta é uma tarefa indelegável.

Nesses casos, a primeira recomendação é conversar com o profissional, pontuar as dificuldades apresentando evidencias, reforçar os padrões estabelecidos pela empresa e lembrar que qualquer acordo deve servir para todos, a menos que exceções sejam combinadas previamente. É importante tentar fazer com que ele compreenda que, justo por ser da família, a expectativa em relação ao seu desempenho é ainda maior e ele deve, inclusive, servir como exemplo para os demais.

Quando a conversa não é suficiente para modificar o comportamento e se as dificuldades, portanto, persistirem, a recomendação é levar ao conhecimento da direção, mesmo que isso signifique tratar com o próprio parente do profissional. Nestes casos, pode facilitar bastante contar com uma avaliação ampliada, ou seja, incluindo percepções de outros gestores e desconcentrando de uma visão única. Fazendo dessa forma, se diminui o risco de uma contra-argumentação que remeta a uma implicância pessoal ou algo do tipo. Empresas que já possuem um sistema de avaliação de desempenho formal saem na frente nestas tratativas.

Enfim, por mais que pareça uma saia justa, o gestor não deve exitar em levar adiante e tentar resolver a situação. A experiência tem mostrado que é possível se sair bem sucedido, contanto que se mantenha o enquadramento o mais profissional possível.

Importância de lidar com as diferenças

Publicado por:
15 jun

11.3

Trabalho com uma pessoa que tem um estilo muito diferente do meu e, muitas vezes, me impaciento e isso acaba influenciando a qualidade do meu trabalho. Como lidar com essa situação sem tantos desgastes?

Estamos sempre buscando um ideal de uniformidade que não existe. Apesar de desejarmos nos relacionar com “iguais”, na prática, o que existe na realidade das organizações é a necessidade de convivermos com pessoas de características, estilos e culturas muito diferentes das nossas.

Mas antes de dar ênfase às dificuldades que em geral qualquer convivência provoca, porque de fato não é tarefa fácil lidar com as diferenças, reflita também sobre alguns possíveis ganhos:

1. Diferentes personalidades e competências dentro de uma equipe podem se complementar para que o objetivo seja alcançado. Trata-se de aproveitar ao máximo as capacidades individuais e minimizar as fragilidades do grupo;
2. O pensamento uniforme prejudica a prática da melhoria contínua, afinal, se todos pensam da mesma forma, as chances de crítica ficam reduzidas;
3. Por fim, compreenda que se é difícil para você, também é igualmente difícil para o colega que terá também que aprender a conviver com a diferença.

Para quem é gestor, a recomendação é ficar atento às características de cada profissional da equipe, dividindo bem as atividades e considerando qual pode ser a melhor contribuição de cada pessoa envolvida. Reconhecer as capacidades e respeitar as diferenças, pensando sempre no que é melhor para a empresa e não individualmente, é uma excelente estratégia para transformar a diversidade em algo produtivo.

Como lidar com a negatividade

Publicado por:
13 jun

imagem12

Não há ambiente de trabalho que não tenha aquele profissional que está o tempo todo colocando dificuldade nas coisas e reclamando da “vida”. Como lidar com esse negativismo e evitar que ele contagie o ambiente?

Pessoas negativas são aquelas que gostam de fazer críticas sobre tudo e todos, enfatizam os defeitos e estão sempre com o astral lá em baixo. É claro que se manter feliz o tempo todo é tarefa quase impossível em se tratando de “vida real”, entretanto, quando temos colegas de trabalho que só conseguem ver o lado negro das coisas, a convivência se torna difícil e as pessoas acabam tendo que escolher entre dois caminhos: ou se afastam para suportar melhor o dia a dia ou embarcam no mesmo clima. Para a organização, nenhuma opção acima é saudável.

É por isso que no âmbito do trabalho, o negativismo é um fator que pesa contra a qualidade do clima e afeta a produtividade. A opção de se afastar não é a ideal já que ter uma pessoa isolada dos demais prejudica o sentimento de equipe e a harmonia do grupo. Ao mesmo tempo, parece pior escolher o caminho de se deixar influenciar. Às vezes, apenas uma pessoa pode ser suficiente para abalar o ambiente e levar um grupo inteiro a repetir o mesmo discurso de dificuldade. É importante ficar atento a estes movimentos para evitar cair em armadilhas; não se deixar contagiar por ideias negativas ou tentar ajudar o colega a quebrar a rotina de queixas pode ser uma boa alternativa.

Bom, até agora abordamos o colega como o vilão do negativismo. Mas e quando os “reclamões” somos nós mesmos? São comuns, na trajetória profissional, os momentos de mais insatisfação e pessimismo. É justamente nestas horas que é necessário redobrar a atenção e fazer uma avaliação cuidadosa dos próprios comentários e comportamentos.
Mas atenção: evitar o negativismo não significa vestir a roupa do otimismo permanente. Afinal, só ver o “lado bom” das coisas pode acabar mascarando o potencial de dificuldades de cada situação e trazer prejuízos. Por isso, a dica é simples: encarar as dificuldades mais como oportunidades de superação e de dar a volta por cima do que como fatalidades em que não há nada o que fazer, apenas lamentar.

Perdi a cabeça com a minha equipe. O que fazer?

Publicado por:
08 jun

imagem12

O mundo corporativo costuma exigir dos profissionais muito controle emocional. Pressão por prazos, excesso de cobranças, responsabilidades acumuladas, falta de tempo – essas e outras situações, muitas vezes, são suficientes para nos fazer perder o equilíbrio e “extrapolar”. E o que fazer quando isso acontece?

Vamos combinar que essa é uma situação bastante comum e que pode acontecer com qualquer profissional. Mesmo aqueles mais experientes, em algum momento, podem “escorregar” nas armadilhas do grupo e “perder a cabeça”. Mas não há motivo para desespero. É possível sim remediar uma situação de descontrole e retomar o equilíbrio. Veja abaixo algumas dicas de ouro:

1. Reconheça que errou. Este é o primeiro passo para quem ultrapassou o limite e exagerou no tom. Não adianta fingir que nada aconteceu. Esse comportamento não ajudará a resolver;
2. Pedir desculpas. Muitas vezes as situações ganham uma proporção muito maior apenas porque não se fez um movimento de retratação, portanto, não deixe de fazer;
3. Tente não justificar, com certeza o outro também poderia elencar uma série de motivos para sair da linha;
4. Após uma primeira cena de destempero, fique mais atento para não torná-la reincidente. Caso contrário, todas as dicas acima podem não funcionar por falta de credibilidade.

Enfim, paciência e autocontrole são os pontos chave para conseguir manter o equilíbrio e evitar problemas. Saber o que lhe tira do sério também é uma recomendação importante. É comum, principalmente quando se ocupa uma função de liderança, que o grupo provoque situações incômodas, às vezes para testar o chefe, outras sem um propósito definido. De uma forma ou de outra, é válida a premissa de que todo grupo têm o desejo inconsciente de enlouquecer seu coordenador, portanto, fique ligado e não caia nas armadilhas!

As principais atribuições de um gestor

Publicado por:
06 jun

03.21

Ao serem convidados para exercer funções gerenciais, muitos profissionais aceitam motivados pelo incremento salarial, porém com pouca clareza sobre o que realmente significa ser gestor e sem analisar as exigências e os desafios da nova função. Quando isso acontece, não é raro ver os novos gestores se queixarem das atividades e explicitarem que lidar com pessoas é um problema.

A questão está no fato da escolha ser definida em função de competências técnicas. Os novos gestores se deparam com essa oportunidade por conta de suas habilidades técnicas no manejo das atividades do dia a dia. Apesar de valorizadas na rotina da empresa, esse domínio da técnica, por si só, não é suficiente para o desenvolvimento do cargo de gestor.

Na liderança, o profissional precisa ter habilidades para conduzir a equipe, administrar conflitos e resistências, coordenar os processos de trabalho do grupo – não somente o dele, e produzir resultados. É nessa hora que parte das pessoas que assumem a gestão se sentem pouco preparadas, ou seja, quando compreendem que os resultados só acontecerão com as pessoas mobilizadas e as atividades sendo conduzidas para um objetivo comum.

Por este motivo, antes de assumir uma função gerencial, é recomendável cautela e reflexão. É preciso entender os desafios em questão e compreender o seu papel diante destes desafios. É uma decisão difícil, pois em geral é um caminho sem volta, pelo menos considerando a mesma empresa. Ao mesmo tempo, quando o profissional não se sentir preparado, mas acredita que tem potencial para o cargo, a orientação é para que não desista, afinal, é possível investir no desenvolvimento das competências necessárias à função.