Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

Equipe em férias e trabalho em dia

Publicado por:
09 jan

02.1

Não é novidade que as jornadas estressantes e ininterruptas são prejudiciais para a saúde do trabalhador e já há algum tempo as férias deixaram de ser algo evitado a todo custo pelas empresas e se tornaram uma realidade na vida dos empregados. Porém, não são raros os casos de organizações que acabam criando uma relação de dependência tão grande com alguns profissionais a ponto disso atrapalhar o calendário de descanso das equipes e até mesmo o andamento das demandas e projetos.

Sabemos que é um grande desafio, principalmente em épocas onde a redução de custos é necessária e as equipes estão cada vez mais reduzidas, ter empregados capacitados para tarefas diferentes e que consigam dar conta do trabalho uns dos outros nos períodos de férias. No entanto, ter profissionais “insubstituíveis”, que não podem se ausentar nem que seja por poucos dias, pode ser uma armadilha, a partir do momento em que se cria uma relação de dependência.

Todos os empregados de uma organização precisam e devem tirar férias, inclusive os que ocupam uma posição de comando, como os gerentes, diretores, etc. É uma questão estratégica para a empresa não só por demonstrar cuidado com a saúde física e mental do profissional, mas por qualificar sua capacidade de trabalho (mais e melhores resultados). Por isso é tão importante que todos na equipe tenham substitutos que consigam manter a “bola rolando” mesmo na ausência do “titular”. E o gestor tem um papel essencial neste caminho.

É dever dele desenvolver a sua equipe, viabilizar um sistema de compartilhamento de informações e criar um ambiente facilitador para essa troca. Uma boa dica pode ser fazer uma “dança das cadeiras”, trocando os empregados de funções periodicamente. Ter um manual de processos atualizado também pode ajudar, mas se não tiver acompanhamento nem os resultados claramente contratados, não dará conta.

O gestor tem que ser ativo na formação de competências para que cada empregado tenha domínio das suas atribuições e das dos colegas. Além disso, o próprio líder também deve conhecer todos esses processos para dar suporte nas tarefas operacionais quando for necessário, colocando-se como exemplo positivo para a equipe e para a empresa.

Comentários

Deixe o seu comentário