Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

A legitimação da autoridade

Publicado por:
17 abr

7.1 estagio trainee11

Para que o trabalho e os processos fluam de modo produtivo e eficiente, existe a hierarquia e, junto com ela, a autoridade. Gestores e subordinados precisam encontrar o equilíbrio exato nesta relação, para que a divisão de papeis, responsabilidades e o dar e receber ordens ocorra com confiança e profissionalismo.

Não é incomum encontrarmos nas empresas casos de profissionais que têm dificuldade em lidar com figuras de autoridade. Os jovens profissionais, muitas vezes, reagem inadequadamente ao cumprimento de ordens que são contrárias às suas posições. Já os mais velhos e experientes podem se sentir desconfortáveis quando elas vêm de gestores mais jovens e com menos tempo de mercado.

Para fazer valer a ordem necessária ao processo produtivo, o respeito à hierarquia, regras e acordos é indiscutível. E nessa direção, é comum os gestores buscarem uma aproximação maior da equipe imaginando que sendo “amigos” as coisas ficarão mais fáceis. Muitas vezes, essa proximidade vira uma “intimidade” que ultrapassa os limites do aceitável. É importante, sim, que existam vínculos de qualidade entre equipes e gestores, mas esses não podem se “misturar” a ponto de colocar em risco sua autoridade e não mais conseguir representar os interesses da empresa.

Porém, é preciso lembrar que autoridade é diferente de autoritarismo. Nos dias de hoje, querer que as coisas aconteçam através da imposição ou ameaça não faz mais nenhum sentido. Aumentar o tom de voz, ser grosseiro e ignorar as possibilidades de diálogo para impor as determinações são atitudes que não ajudarão em nada, mas prejudicarão bastante o engajamento e o comprometimento das equipes com o trabalho.

E o que é pior, as determinações não vão atingir seus objetivos, a relação de confiança será prejudicada e o sentimento de insatisfação tomará conta do profissional. Assim, legitima-se o líder autoritário e não o estratégico. E é o líder estratégico que sabe que a construção do futuro promissor é um trabalho de equipe.

Comentários

Deixe o seu comentário