Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

Como se destacar no trabalho sem ser malvisto pelos colegas?

Publicado por:
25 jan

03.111

Se diferenciar, ser destaque na sua área ou receber uma promoção são ambições de boa parte dos profissionais. Mas quando esse reconhecimento chega, é preciso estar preparado para lidar com um eventual incômodo: o possível aumento da competição na relação com os colegas.

A competição é um movimento natural e está presente na maior parte dos relacionamentos interpessoais – nos grupos de trabalho ou nas relações familiares entre irmãos, pais e filhos, por exemplo. Porém, mesmo sendo um sentimento tão comum, a competição não costuma ser vista com bons olhos pelas pessoas, o que faz com que, normalmente, apenas o seu lado negativo apareça.

Pode parecer estranho, mas existem sim duas faces da competição. Ela pode servir positivamente, quando o sentimento gerado é de admiração e inspiração – o que chamamos popularmente de “inveja branca”. Mas também pode ser negativa, sendo capaz de gerar comportamentos de ataque e desmerecimento do outro. E quando o assunto é ascensão na carreira, as duas formas de competição podem aparecer, mas como fazer para minimizar a concorrência negativa?

Lidar com essa situação é uma responsabilidade conjunta do gestor que efetuou a promoção e do profissional que foi promovido. O gestor precisa deixar claro para a equipe a sua motivação ao promover o profissional e porque ele foi merecedor do novo status. É preciso, ainda, que ele seja claro ao explicitar e pactuar as novas atribuições e responsabilidades do promovido. Também é de grande ajuda quando o gestor tem uma atitude de integração da equipe, ressaltando a importância do grupo para que os resultados esperados sejam alcançados.

Já o profissional que foi promovido precisa adotar um comportamento que favoreça a sua aceitação. É importante não mudar drasticamente de comportamento ou se afastar abruptamente dos antigos colegas de equipe, mesmo que o novo cargo exija certo distanciamento. Esse “afastamento” deve ser feito de forma gradual, para não causar estranhamento ou comentários do tipo: “depois que fulano foi promovido, não é mais o mesmo”.

Também é essencial evitar uma exaltação da nova relação de proximidade com o chefe. Naturalmente, quando há uma promoção, esse vínculo é estreitado, mas é importante não usar isso como determinante de poder ou privilégios, e até mesmo forçar uma intimidade que não existe. Profissionais com esse comportamento acabam ganhando a alcunha de bajulador do chefe.

Em resumo, se há clareza no papel que foi cumprido e no caminho traçado até chegar a esse ponto de reconhecimento, fica mais fácil envolver as outras pessoas no sucesso alcançado. Porém, mesmo tendo todos esses cuidados, ainda podem aparecer aqueles que não reconhecem os méritos da promoção e adotam um comportamento negativo. Neste caso, chamar a pessoa em questão para uma conversa franca pode ajudar a resolver a situação.

Comentários

Deixe o seu comentário