Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

A influência dos pais na escolha profissional

Publicado por:
18 abr

06.5mudar

Os pais têm um papel fundamental na educação dos filhos, inclusive na decisão sobre o futuro profissional. Entretanto, em alguns momentos, há um exagero nessa relação e os pais acabam interferindo demais em uma escolha que não é deles. O risco para os filhos é o de gerar acomodação e frustração profissional.

É comum encontrarmos pais que querem decidir, às vezes arbitrariamente, o que o filho vai fazer, o que vai estudar e onde vai trabalhar. Existem ainda aqueles que tomam a frente até na procura de estágio ou emprego, articulando com os amigos no intuito de “facilitar”. Porém, ao invés de ajudar, essa atitude pode prejudicar o desenvolvimento desses jovens; eles acabam não se sentindo implicados, não se esforçam para fazer as suas escolhas darem certo e se acostumam a ter alguém sempre decidindo a vida por eles.

Algumas vezes, esse tipo de influência pode confundir os jovens profissionais que acabam passando para os pais a responsabilidade em relação às suas carreiras, quando na verdade deveriam estar aprendendo a fazer escolhas e assumir suas próprias decisões. Sabe-se que quando os filhos são protagonistas das suas histórias, a tendência é que valorizem muito mais as suas conquistas e a probabilidade de sucesso aumenta. Mas se esses jovens embarcam numa escolha dos pais, a possibilidade de fracasso é bem grande.

De toda forma, não significa que uma ajuda dos pais não seja bem-vinda. Os jovens geralmente se beneficiam bastante quando ouvem recomendações e trocam experiências com os mais velhos, afinal, são pessoas mais maduras e que conhecem o mercado. Pedir ajuda quando necessário também é possível, aliás, é uma boa maneira de sinalizar aos pais que é hora de intervir.

Enfim, é importante considerar que os pais podem e devem, sim, proporcionar algumas experiências e influenciar em algumas situações em que os filhos ainda não têm maturidade para decidir sozinhos. O que não se pode fazer é inverter totalmente esses papeis.

Comentários

Deixe o seu comentário