Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

Falar dos conflitos é necessário para a saúde no trabalho

Publicado por:
30 ago

03.131

No nosso dia a dia, é comum termos conflitos no ambiente de trabalho, seja por discordarmos do ponto de vista de alguém ou até mesmo por termos pouca afinidade com um colega. Entretanto, acumular incômodos pode ser prejudicial para o desempenho de toda a equipe.

O que pauta as relações no trabalho são as afinidades, os interesses e os estilos dos profissionais. Não precisamos ser amigos de todos, mas manter um clima de respeito e cordialidade é fundamental.

Para tanto, é importante atentar para a necessidade de externar insatisfações. Isso porque aqueles conflitos que não são devidamente tratados podem ficar “guardados” e se transformarem numa bola de neve. Por isso, sempre que for oportuno, explicite o incômodo para não se deixar “sufocar” e terminar perdendo a cabeça e agindo de maneira inadequada.

Se você, por exemplo, tem um colega com comportamentos que o irritam ou com atitudes que você discorda, tente conversar sobre seus incômodos. Trate apenas do necessário, sem ofender a pessoa. Diga como acredita que poderiam lidar com as discordâncias para uma melhor convivência. Use os normativos da empresa e os valores como referências para a construção de acordos. Esteja aberto também a escutar o que colega tem de incômodo em relação a você e procure se reposicionar naquilo que for possível e pertinente. E lembre-se, trate as situações com bom humor.

Você verá que o clima organizacional ficará melhor.

A importância da crítica e autocrítica

Publicado por:
25 ago

11.3

Muitas vezes, reagimos negativamente diante das críticas dos colegas ou do gestor. Entretanto, é importante refletir sobre elas antes de responder.

O primeiro passo é encarar o posicionamento do outro sobre você não como verdade absoluta, mas como imagem que você pode estar passando. Mesmo se não concordar com a observação, quando alguém lhe criticar em algo, vale a pena ver o que está fazendo para dar essa impressão.

Mas por que nos frustramos tanto quando recebemos uma crítica? É simples. Porque pode mostrar algo que não gostaríamos de admitir em nós mesmos e por evidenciar nossas falhas. Ou até mesmo porque você acredita que todos estão percebendo sua intenção quando na verdade o que se destaca é o impacto da sua atitude nos outros.

Quando receber uma crítica, evite responder de “bate pronto”. Esse comportamento pode indicar que você está se percebendo como “atacado” pelo outro. Avalie antes se está reagindo sem pensar. Se você confiar no colega que está criticando pode ser mais fácil escutar a avaliação. E caso não consiga perceber o comportamento que gerou a crítica, peça evidências.

Por fim, reflita sobre você mesmo, analisando a relevância da crítica para o seu crescimento pessoal e profissional. Será que tem algo que você possa efetivamente aprimorar? Faça essa autoavaliação sem ser condescendente ou rigoroso demais consigo mesmo.

Conflitos entre irmãos nas empresas familiares

Publicado por:
23 ago

7 0estagio trainee1

Grande parte das empresas tem origem familiar e muitas vezes a relação família/ profissional não está bem resolvida. É comum conflitos de origem pessoal interferirem na relação profissional, e quando isso envolve irmãos, o cuidado deve ser redobrado. Mas o que pode causar esses conflitos?

Em qualquer empresa, posturas e formas diferentes de encarar o trabalho, responsabilidades pouco definidas e disputas por espaço e reconhecimento são algumas das fontes de conflito nas equipes. Isso não seria diferente nas empresas familiares, especialmente entre irmãos. Esse aspecto pode ser agravado pela relação familiar que acontece fora da empresa, com situações mal resolvidas, e que podem impactar diretamente no desempenho da organização.

Por isso, é importante ter cuidado no relacionamento profissional x familiar. Trabalhar bem os acordos, as responsabilidades e os conflitos não resolvidos é fundamental. Focar na atuação de cada um dentro da empresa é outra forma de regular os conflitos.

Para irmãos, é importante pensar que a forma de conduzir qualquer situação deve ser a mesma de quem está lidando com um executivo que não é da família. O respeito e a forma de dizer também são importantes. O foco deve ser no que é melhor para a empresa.

E se o pai é o “chefe” da organização, ele precisa ter postura de gestorchefe, considerando as diretrizes para o negócio na hora de acompanhar e cobrar. Nada de dar privilégios aos filhos ou beneficiar um filho especifico. É importante, ainda, ter um fórum específico de suporte aos gestores familiares para tratar pontos relevantes para os sócios, herdeiros e sucessores.

Quando devo procurar o trabalho de coaching?

Publicado por:
18 ago

imagem12

O suporte de um coach pode ser fundamental para o desenvolvimento profissional, mas quando saber se é o momento adequado para começar esse processo?

O coach é um profissional apto a ajudar outros profissionais na busca pelo desenvolvimento através de um processo que propõe mudanças cognitivas e de hábitos, melhoria de desempenho, quebra de paradigmas, estabelecimento de planejamento, ações, e, consequentemente, melhores resultados. Mas para identificar se a contratação de um coach é realmente necessária, é preciso ficar atento a alguns sinais.

Na maioria das vezes, um profissional busca o coaching quando não está satisfeito com sua atuação e vê que pode desenvolver-se mais na função atual ou quando tem uma dificuldade específica que precisa trabalhar. Por exemplo, a necessidade de se comunicar bem com sua equipe ou a melhoria na forma de acompanhar os resultados.

Outra situação frequente é contratar um coach quando se vê frente a um novo desafio, dentro do emprego atual ou em uma nova empresa, ou para ajudá-lo a desenvolver uma competência solicitada pela organização. Nesse caso, é possível pedir para que a empresa patrocine o coaching.

Porém, é preciso lembrar que para que o processo seja bem-sucedido e os resultados sejam obtidos como esperado, é necessário um total comprometimento, foco e dedicação do profissional acompanhado.

A importância da intersetorialidade na empresa

Publicado por:
16 ago

02.41

A integração entre setores é fundamental para que as empresas alcancem bons resultados.Por isso, perceber a interferência da sua área de atuação na do colega é muito importante e pode facilitar as ações do próprio setor.

Quando se fala em estimular a integração entre equipes, logo vem à mente a ideia de trabalhar com profissionais que atuam na mesma área. No entanto, uma organização sempre é formada por mais de um departamento e todas as pessoas que nela trabalham somam esforços para dar vida ao negócio.

Para exemplificar, podemos pensar em uma engrenagem. Várias peças diferentes precisam rodar em harmonia para que o sistema funcione corretamente. Numa empresa não é diferente. É preciso que todos os colaboradores tenham, ao menos, uma noção do todo. Isso evita, por exemplo, que um departamento boicote o outro por desentendimentos que poderiam ter sido evitados.

Nesse sentido, o profissional precisa estar atento e buscar entender as dificuldades que cada setor enfrenta. Se ele acompanha os indicadores das outras áreas, vai saber atuar e se posicionar melhor, podendo responder ao gestor ou cliente com mais propriedade. Esse interesse, além de aumentar o conhecimento em relação à empresa, vai fazer ainda com que o profissional seja visto como versátil e proativo.

Um profissional que atua com uma visão sistêmica tem um grande diferencial e poderá dar resultados mais consistentes. Além disso, a compreensão sobre o funcionamento dos demais setores pode facilitar a fluidez nos processos, o relacionamento interno e a circulação de informações relevantes para o negócio dar certo.

Passei muito tempo na mesma empresa. Como me preparar para uma entrevista de trabalho?

Publicado por:
11 ago

imagem12

Passei muito tempo em uma mesma empresa e agora estou desempregado. Como devo me preparar para uma entrevista?

Ao se deparar com uma situação de desemprego após muitos anos atuando no mercado, é comum que o profissional fique perdido quanto aos padrões de comportamento, especialmente aqueles que tinham 20 ou até 30 anos na mesma organização. Nesses casos é comum ficar inseguro, mas não precisa ficar desesperado. Basta entender o que o mercado está pedindo e ficar atento a algumas atitudes.
Numa entrevista, o que o recrutador observa inicialmente são questões como pontualidade, cuidado no português, atitudes discretas, apresentação pessoal, habilidade de comunicação, respeito aos demais candidatos, além das experiências profissionais.

Evite falar demais, seja objetivo sem deixar de responder a nenhuma pergunta. Utilize sua experiência como diferencial e fale dos principais resultados que você entregou no emprego anterior. Se for uma entrevista coletiva, deixe espaço para os outros candidatos se posicionarem. Pode ser que fique nervoso num primeiro momento, mas se focar nas suas qualificações, conseguirá se sair bem.

Faça perguntas que possam esclarecer sobre a expectativa para o cargo e os resultados esperados para o profissional a ser contratado. Demonstra interesse. Se já souber qual é a empresa contratante, faça uma pesquisa sobre ela antes da entrevista e mostre que está por dentro do que acontece no mercado.

E se tiver algum ponto que pode expor a empresa anterior, peça para esclarecer em um momento individual. Tenha atenção ao que é dito sobre as etapas da seleção e agradeça ao final, seja qual for o resultado.

Formação demais pode atrapalhar

Publicado por:
09 ago

02.51

Há pessoas que investem na formação profissional intensamente, ao ponto de terem mestrado ou doutorado sem nunca terem tido uma experiência profissional. Entretanto, chegar aos 30 anos com esse histórico pode ser um grande dificultador para se inserir no mercado de trabalho.

Uma razão para isso é que seu contrato não pode mais ser de estagiário e a empresa precisa de profissionais com alguma bagagem prática para atender suas demandas e resultados, e não só de acumuladores de diplomas. Formação e conhecimento são sempre bem vindos e impulsionam novas competências, mas devem ser equilibrados com a experiência prática.

Por isso, é preciso saber conciliar formação e projeto profissional. Fiquei atento e cuide da sua trajetória, trace planos e metas. Fazer um curso atrás do outro pode parecer que você está apenas passando o tempo estudando por falta de oportunidade.

E lembre-se: falta de experiência a partir de certa idade é prejudicial. Se tiver uma atividade profissional, mesmo que informal, não deixa de explicitar isso no currículo. Mas se você colocou tanto foco nos estudos uma alternativa pode ser ingressar na área acadêmica. Talvez essa seja a trajetória com a qual você mais se identifica e a que poderá lhe dar uma bagagem profissional mais condizente com a formação. Nesse segmento, o mestrado e o doutorado são de fato diferenciais para o profissional.

Superprodução no ambiente de trabalho

Publicado por:
04 ago

03.4

Estar bem apresentado no ambiente de trabalho é importante para a imagem profissional, mas muitas pessoas confundem boa apresentação com superprodução. É preciso ficar atendo para não pecar pelo excesso.

Em ambientes corporativos, o cuidado com as cores da roupa é um detalhe importante.
Como vivemos em um país tropical, um pouco de cor é natural, mas é essencial ter cuidado ao usá-las. Evite as estampas muito chamativas e procure usar cores mais sóbrias. O uso de bijuterias também se enquadra nessa questão e deve ser balizado pela discrição. Prefira sempre colares e brincos pequenos e discretos.

Para os homens é fundamental estar sempre com a roupa passada e também seguir um padrão de cores mais discreto. Calças jeans são permitidas a depender do local de trabalho, mas devem ser retas e sem muitos detalhes. Para os que trabalham de paletó, cuidado com as gravatas. Nada de bichinhos estampados ou florais. Pode até ser divertido, mas pode passar a impressão errada.

Para as mulheres, é preciso cuidado com a maquiagem. Ela pode ser uma aliada quando utilizada para esconder imperfeições e ajudam a dar um ar saudável. Mas nada de excessos. Deixe os batons vermelhos para as baladas. E nada de ir para o trabalho parecendo que vai a uma festa. Vestidos provocantes, roupas muito justas ou com transparência não são, de forma alguma, indicados para o ambiente corporativo.

Saltos finos são elegantes, mas se forem muito altos podem prejudicar a coluna. Evite os mais chamativos e se puder escolher os com saltos mais largos verá que são mais confortáveis. Se optar por sapatos sem salto, busque acabamentos em couro e com cores mais sóbrias. Deixe os mais “fashions” para as saídas com os amigos.

E lembre sempre de se perguntar: qual a imagem que quero passar como profissional? Afinal de contas, a aparência é uma ferramenta determinante para causar uma boa impressão. Aprenda a usá-la a seu favor.

Como saber se meu emprego está em risco?

Publicado por:
02 ago

imagem12

Neste momento de instabilidade econômica, é natural que os profissionais queiram se preparar para imprevistos como uma demissão. Mas como saber se você será o próximo na fila do seguro-desemprego?

Existem alguns sinais que podem indicar que as coisas não vão bem para você na empresa. Mas como as pessoas estão mais inseguras e com mais medo de perderem o emprego, elas acabam vendo mais sinais do que, de fato, existem. Por isso, é preciso ter cuidado para não ficar paranoico e minar a sua produtividade.

Seguem então alguns sinais de alerta:

• Repetidas avaliações negativas num curto intervalo de tempo e pouca paciência do chefe para ajudar no processo de melhoria pode ser um dos sinais de uma demissão eminente. Pode existir uma supervalorização dos erros e falhas, como se o gestor quisesse razões para demitir.
• O distanciamento do chefe também é um indicativo. Ele deixa de ter tempo para conversar e orientar. Em outras palavras, a relação do profissional com o gestor esfria. Atritos constantes, dificuldade de entendimento e excesso de mal entendidos podem ser frequentes.
• Fique atento, também, se perceber um esvaziamento de responsabilidades. O seu chefe pode começar a pedir para que outras pessoas façam as tarefas que seriam de sua responsabilidade, por exemplo. Outra prática é o gestor não mais lhe convidar para reuniões importantes das quais você costumava participar.
• A abertura de vagas para profissionais com o seu perfil ou pedido do chefe para que treine alguém para fazer suas atividades quando você sabe que não há possibilidade de aumento de quadro ou que o seu salário está acima do praticado pelo mercado também são indicativos.
• Agora, quando o acesso à empresa e aos sistemas está bloqueado, se não for falha da tecnologia, é demissão certa. O profissional só não foi informado ainda por descuido da empresa.

Caso se depare com algumas dessas situações, o melhor a fazer é chamar o chefe para uma conversa franca e entender o que está acontecendo e ver se tem algo que possa ser feito para reverter a demissão. Mas se essa conversa não é possível e os sinais estão cada dia mais reais, é preciso se preparar, começar a buscar novas oportunidades de emprego e poupar para aumentar a reserva financeira.
E lembre-se: as empresas querem manter em seus quadros profissionais que tenham o seu estilo, que se destacam pelo seu desempenho, têm facilidade de relacionamento e interesse em assumir novas atividades. Correm menos riscos de demissão as pessoas que são proativas e têm iniciativa. Por isso, ao invés de ficar apenas procurando por sinais, foque no seu trabalho e mostre resultados.

Organizando seu espaço de trabalho

Publicado por:
28 jul

02.51

Cada profissional possui uma forma particular de organizar seu espaço individual de trabalho. Existem aqueles extremamente organizados e também os que vivem com pilhas de papéis e objetos espalhados. Entretanto, é preciso lembrar que a arrumação e limpeza desses espaços é responsabilidade de cada um e que pequenos cuidados podem fazer toda a diferença para o clima organizacional.

Todos os anos, é fundamental fazer uma reorganização do seu espaço e do material de trabalho. Arquivar pastas não utilizadas, jogar fora papéis que não servem mais e fazer uma limpeza nas gavetas são algumas das atividades que precisam ser realizadas periodicamente.

Sabe-se, entretanto, que no ambiente de trabalho cada pessoa desenvolve uma maneira de ordenar seu espaço de forma a facilitar o processo produtivo. Mas, independente do estilo de cada um, é importante ter alguns cuidados:
* Limite seu espaço para não invadir a mesa do outro, especialmente quando trabalha em “baias”;

* Os espaços coletivos são ótimos para a integração, mas exigem a garantia mínima de um padrão. Evite personalizar demais. Tudo bem usar fotos da família ou do namorado (a) como decoração, mas evite imagens que expõem demais sua vida. Nada de fotos sem camisa ou em trajes mínimos;

* Poder ou não comer na sala de trabalho vai variar de acordo com as normas da empresa, mas mesmo quando é permitido, você deve evitar levar alimentos com odor forte. Por via das dúvidas, é melhor dar uma pausa para fazer o lanche na copa ou em outro local mais apropriado;

* Caso faça um lanche no espaço de trabalho, descarte o lixo imediatamente. Afinal, ninguém quer uma mesa com restos de comida e formigas em cima;

* Quando terminar um trabalho, arquive imediatamente os documentos. Assim, não perderá tempo procurando-os depois.

Por mais banal que pareça, pequenos cuidados com a arrumação no ambiente de trabalho podem garantir uma maior eficácia, otimização na execução de tarefas e até aumentar a motivação do profissional. Além disso, empresas bem ordenadas passam uma sensação de confiabilidade aos clientes.