Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

Cuidado com seu padrão de vida

Publicado por:
16 fev

01.3 1

Apesar da realização profissional ser algo bastante almejado, cada vez mais a aspiração financeira está no foco principal dos jovens profissionais. Ou seja, muitos escolhem qual carreira seguir pela média salarial ou buscam empregos em empresas que pagam mais. Mas é preciso atentar que só um contracheque “gordo” não é sinônimo de tranquilidade financeira. É preciso planejamento.

É muito comum encontrarmos profissionais que conseguiram atingir bons patamares na carreira, com altos salários, mas que mantém a sensação de que ainda precisam de mais. O que ganham não é suficiente para manter um padrão de vida “ideal”. Eles terão dificuldade, por exemplo, de realizar despesas mais altas que estejam fora da rotina, como uma viagem mais dispendiosa com toda a família, comprar um bem que exija uma entrada maior, etc.

Em geral, esses profissionais não são endividados, mas por mais que ganhem, só pagam as despesas e não sobra nada no fim do mês. O que acontece é que, normalmente, eles não têm o hábito de realizar um planejamento financeiro. Adaptamos nosso padrão de vida ao que ganhamos e crescemos as despesas na mesma proporção que aumentamos a remuneração. O resultado disso é que sobra pouco ou não sobra nada para poupar.

A falta de programação financeira, portanto, e não a falta de dinheiro, é que acaba sendo a grande vilã na realização dos projetos pessoais e sonhos. Como consequência, tem-se profissionais frustrados com a própria carreira e acreditando que trabalham muito e que o retorno é desproporcional. Essa percepção equivocada que culpa a remuneração e protege o profissional de encarar a necessidade de guardar dinheiro precisa ser modificada. A questão é que muitas pessoas têm dificuldade de reconhecer esta fragilidade e preferem continuar responsabilizando o “curto salário”.

Para mudar este cenário é fundamental que se mude o comportamento diante do dinheiro. Por isso, é preciso fazer, com frequência, a si mesmo a seguinte pergunta: Se a partir de hoje eu não recebesse mais o meu ganho mensal, por quanto tempo conseguiria manter meu padrão de vida atual? A resposta vai fazer qualquer pessoa perceber a importância de ter um planejamento financeiro para o futuro, entendendo que poupar é a forma ideal para realizar seus projetos e garantir sua tranquilidade.

A importância da família na hora do sufoco

Publicado por:
14 fev

03.31

Algumas profissões demandam muito tempo do profissional e exigem uma dedicação de horas elevada, às vezes muito além do tempo de expediente convencional. Quanto mais estratégico é o profissional, maior é o grau de comprometimento e preocupação com o trabalho. Nesses casos, ter o apoio da família para aguentar a pressão do dia a dia é fundamental.

Conforme vai crescendo na carreira, o profissional vê aumentar, também, a responsabilidade e a dedicação ao trabalho. E quando o cargo envolve viagens constantes, noites e finais de semana fora de casa, fica ainda mais difícil conseguir tempo para as demandas pessoais. Nestas horas, ter o apoio da família para aguentar a pressão do dia a dia é fundamental, mas muitas vezes não é o que acontece.

A família, naturalmente, começa a sentir falta da presença da pessoa e passa a também fazer pressão para diminuir a carga de trabalho. Pode-se dizer que é o início de um pesadelo; dar conta das atividades profissionais e ainda administrar a insatisfação familiar. É uma situação mais comum do que parece. E quais são as alternativas?

É importante jogar aberto com os familiares. Para crescer na carreira, provavelmente, o profissional terá que suportar um tempo mais difícil e com mais restrições na vida pessoal. A tendência é que depois a situação se acomode e melhore, mas todo início costuma ser mais exigente. Por isso, ter uma conversa com a família, explicar a situação e buscar apoio é essencial.

Até porque, nos dias de hoje, com tanta dificuldade para se conseguir um emprego, não é o melhor momento para abrir mão do que se tem. Porém, se a conversa com a família não surtir efeito e se não se consegue ter visibilidade de um prazo para que a demanda melhore, mais cedo ou mais tarde o profissional terá que tomar uma decisão. Ou seja, provavelmente precisará abrir mão do seu projeto profissional ou familiar, pois essa pressão, com o tempo, torna-se insuportável e termina causando perda de desempenho e adoecimento.

Carnaval: época de atenção redobrada com imagem profissional

Publicado por:
09 fev

05.2

Com o crescimento das redes sociais e a maior exposição das pessoas e de suas vidas particulares na internet, é preciso ter um pouco mais de atenção para não prejudicar a própria imagem nessa época de Carnaval.

Carnaval é sinônimo de alegria, festa e descontração, mas o cuidado com a imagem profissional não deve ser esquecido mesmo naqueles momentos mais pessoais. Não adianta pensar que os outros não têm a ver com sua vida fora do trabalho porque, hoje em dia, as coisas não são bem assim.

O que você faz no seu tempo livre é também de interesse das empresas e pode ser relevante na hora de disputar uma vaga de emprego, inclusive. Cada vez mais, as empresas se preocupam em ter profissionais que não coloquem em risco a sua imagem e, junto com ela, a da organização.

Portanto, principalmente em épocas como o Carnaval, é fundamental ter atenção redobrada para selecionar que tipo de assuntos comentar nas redes sociais, que tipo de posts compartilhar e quais fotos pode expor sem se comprometer no futuro, por exemplo.

Isso não significa que você não possa fazer uso das mídias, consumir bebidas alcoólicas, usar as roupas descontraídas típicas das festas de Carnaval, etc. O cuidado deve ser com o grau de exposição que possa comprometer sua imagem.

A dificuldade de se manter atualizado

Publicado por:
07 fev

02.2 (3)

No mundo de hoje, em que as notícias chegam de forma avassaladora pelas mídias disponíveis e que existem cada vez mais formas de trocar informações com outras pessoas, manter-se informado e organizar o próprio tempo está se tornando um desafio.

Ler e dar retorno aos e-mails, acompanhar o que sai de mais importante nas redes sociais, ler as matérias mais relevantes dos blogs de notícias, acompanhar os grupos do Whatsapp para manter a interação com a família, amigos e trabalho, fazer leituras especializadas, etc. No fim do dia, parece não sobrar tempo para mais nada, e se deixarmos, não sobra mesmo.

Todo esse mundo de possibilidades lhe consome e você passa o dia todo em torno disso. Diante dessa realidade totalmente conectada em que vivemos, organizar-se e saber selecionar bem as informações e notícias se tornou fundamental. Entender que a comunicação é imediata, mas que a reposta quase sempre pode esperar um pouco é uma boa dica para ajudar na organização do seu tempo. Afinal, não dá para parar o que está fazendo o tempo todo para responder mensagens do Whatsapp, por exemplo.

Ao mesmo tempo, é preciso dar retorno das demandas, acompanhar suas redes sociais para saber o que está sendo comentado e responder comentários importantes, o que é de bom tom. Para tanto, organize seu tempo, estabeleça prioridades, crie uma rotina para o uso das redes sociais e selecione leituras importantes. Com organização, é possível ficar antenado nos assuntos de que você mais gosta, sem prejudicar o trabalho e nem ter uma “overdose” de informações.

Quando a ansiedade impacta na carreira

Publicado por:
02 fev

03.101

A sociedade de hoje é marcada pelo excesso de ansiedade e cada vez mais um número maior de pessoas vem sofrendo com este mal. São muitos os efeitos de um quadro ansioso, alguns mais leves e fáceis de administrar, e outros mais difíceis, mas que de uma forma ou de outra, quando não tratados, são capazes de impactar diretamente no desenvolvimento de uma carreira profissional.

Medos, angústia, estresse, dificuldade de concentração, sudorese, episódios de esquecimento; todos esses são sintomas relacionados em alguma medida com a ansiedade. Quando afloram, podem ter efeitos devastadores na vida de muita gente, e no âmbito do trabalho não é diferente. Algumas pessoas desenvolvem reações que podem prejudicar e muito suas carreiras, a depender da atividade que desempenham e do cargo que ocupam.

Por exemplo, profissionais que têm medo de avião ao ponto de não encararem uma viagem aérea, terão mais dificuldade de disputar uma vaga ou concorrer a uma promoção quando o cargo exigir viajar. Quando o medo é de elevador o problema será encarar uma visita importante a algum cliente que tenha o escritório em andar mais alto. Outra situação comum é a dificuldade de se expor ou falar em público; quem é muito ansioso pode travar, vítima do chamado “dar um branco”, e não consegue dizer nada. Este profissional, provavelmente, terá bastante dificuldade de assumir um cargo de liderança ou que exija que ele represente a empresa para o mercado.

Enfim, esses são apenas alguns exemplos do efeito danoso de quando o quadro ansioso foge ao controle e os sintomas dominam o comportamento da pessoa. É importante não omitir as dificuldades e conversar sobre alternativas possíveis para cada situação. Em paralelo, investigar as causas e buscar tratamento é fundamental para garantir seu lugar no negócio e o seu crescimento profissional.

Infelizmente, a tolerância das pessoas tem limites e a empresa não pode colocar seus resultados em risco em função de questões pessoais dos empregados. Por mais difícil que seja, busque ajuda especializada fora da empresa e, dentro dela, o apoio dos colegas.

Atitude empreendedora ganha relevância entre profissionais

Publicado por:
31 jan

03.111

Ainda é muito comum o pensamento de que ter atitude empreendedora é exclusivo para quem quer abrir um negócio próprio. Porém, na disputa por um lugar no mercado, profissionais que demonstram ter competências ligadas ao empreendedorismo têm recebido atenção especial e se destacado.

Isso acontece porque as empresas estão, cada vez mais, procurando perfis empreendedores. Ou seja, estão buscando pessoas capazes de enxergar o negócio como um todo e se comprometerem com os resultados, agindo como se fossem os “donos da casa”, vestindo realmente a camisa do negócio.

Os profissionais com perfil empreendedor se destacam também por pensarem primeiro na solução das dificuldades sem ficarem enaltecendo o problema, afinal, pode ter um cliente esperando uma resposta. Eles têm ainda maior compromisso com a melhoria do processo e com a qualidade geral dos serviços, não se limitando só às suas responsabilidades.

Ao mesmo tempo, profissionais desse tipo demandam também alguns cuidados. Quando é enquadrado dentro de uma organização, ele terá o desafio de saber lidar com os limites da sua função, terá que aprender a respeitar a hierarquia e sempre manter o seu gestor informado. Ou seja, ele pode até se sentir “dono”, mas não pode sair por aí decidindo coisas e mudando procedimentos em nome da melhoria dos processos, sem considerar que existe um gestor maior.

De toda forma, a experiência tem mostrado que, em geral, os ganhos em ter profissionais com perfil empreendedor são maiores do que as dificuldades que podem surgir. De fato, são pessoas que costumam ser mais ousadas e com mais iniciativa, mas pactuar alguns acordos geralmente dão conta do enquadramento necessário para que as coisas funcionem sem grandes prejuízos e atropelos.

Demandar é um desafio

Publicado por:
26 jan

7.5trainees

Atualmente, uma das grandes queixas dos profissionais que, com a correria do dia a dia, precisam pedir ajuda ou demandar apoio na realização de algumas tarefas, é que as entregas nem sempre acontecem da forma esperada. Por que esse tipo de queixa é tão comum?

Em mais da metade dos casos a resposta é falha na orientação e no acompanhamento da demanda. Muitas vezes, por causa da pressa, as atividades são delegadas de forma rápida, informal – pelos corredores, e sem muito espaço para que o profissional possa tirar dúvidas ou tratar mais a fundo o que foi solicitado. Como resultado, a entrega do “produto final” não atinge as expectativas iniciais e, ainda por cima, grande parte das vezes chega fora do prazo previsto.

Para diminuir problemas com a entrega, o caminho é investir na orientação e contratar o prazo de entrega e os resultados esperados. É importante também checar a disponibilidade do profissional que está assumindo e definir o padrão de qualidade do que está sendo demandado. Isto feito, é hora de monitorar. Acompanhar o que está sendo realizado antes que o prazo final se aproxime, pois só assim será possível entender as dificuldades e resolvê-las em tempo hábil. Neste caminho, ser o mais claro possível e avaliar se a tarefa está sendo feita de modo correto é a chave para evitar surpresas desagradáveis.

Outro ponto que merece atenção é atentar para os riscos da informalidade. Não fazer o registro do que foi pedido nem das orientações, por e-mail, por exemplo, pode prejudicar o entendimento da tarefa que precisa ser realizada e gerar ruídos.

Não esqueça: pedir ajuda e delegar tarefas exige orientações suficientes e claras, prazos definidos, padrão de qualidade contratado, acompanhamento e espaço para esclarecer dúvidas. Se isso acontece, com certeza o processo irá fluir facilmente e trazer resultados satisfatórios.

Uma dica para manter o orçamento em dia: pesquisar antes de comprar!

Publicado por:
24 jan

033

Em tempos de crise, as pessoas voltam a pesquisar preços, pedir descontos e a se preocuparem mais com a organização das finanças pessoais. Para chegar ao final do mês no azul, a internet e o planejamento são dois aliados na busca por menores preços e no combate às compras por impulso.

Antigamente, pesquisar preços era algo muito comum entre os consumidores, mas o hábito se tornou menos frequente com o aumento do poder aquisitivo da população. Muitos preferiam poupar tempo comprando tudo o que precisava em um só lugar. Com a crise e o desemprego, o cenário mudou novamente, e hoje é cada vez mais necessário comparar preços, pedir descontos e avaliar se a compra é realmente necessária.

Um exemplo desta movimentação é o aumento das compras pela internet. Em geral, se consegue na web preços melhores com uma diferença que pode chegar a até 50% do valor cobrado em shoppings, mesmo quando ainda é necessário pagar frete. Além disso, a internet permite que uma pesquisa seja feita de forma mais rápida, menos trabalhosa e com calma, já que não tem a figura do vendedor “forçando” a compra.

Então, para quem está em busca de um produto específico, vale a pena gastar algumas horas navegando nos sites antes de definir onde comprar. Mas lembre-se: ao comprar pela internet, preço não é tudo. Procure saber a reputação da loja para não cair em um golpe e acabar perdendo dinheiro ao invés de economizar.

Ter antecedência nas compras para aproveitar promoções e planejar o que e quando comprar também são atitudes que podem ajudar a fazer escolhas mais em conta. Quem nunca comprou algo que não tinha muita necessidade e está encostado no canto da casa? Em épocas de atenção máxima com o orçamento doméstico, avaliar a necessidade de cada gasto é fundamental.

Quando o empreendedor é o gargalo do próprio negócio

Publicado por:
19 jan

10.0lideranca

Iniciar e gerir um negócio é sempre um desafio. Em geral, começa-se pequeno, com uma equipe mais reduzida e com o empreendedor assumindo grande parte das atividades, centralizando as decisões e sem muito tempo para pensar a gestão, fazer planejamentos e acompanhar as equipes de trabalho. Logo, as primeiras dificuldades começam a aparecer e o empreendedor já não consegue resolver todas as questões. Problemas com clientes, atrasos nos processos internos e o sentimento de que está perdendo oportunidades se torna mais frequente.

E esse cenário é mais comum do que se imagina. Muitos empreendedores esperaram o problema acontecer para só depois investir na organização e estruturação do negócio. É comum neste início que, no intuito de garantir a qualidade das ações e na ansiedade de atingir os resultados previstos, o “dono” tenha mais dificuldade de descentralizar e, assim, o andamento de questões simples e corriqueiras demoram e emperrando os demais processos de trabalho.

Quando não há delegação, a equipe tem dificuldade de avançar porque qualquer decisão depende da presença ou autorização do dono e o negócio se prejudica já que o empresário não consegue ter tempo hábil para lidar com todas as questões operacionais e estratégicas ao mesmo tempo. De toda forma, não é isso que vai impedir o negócio de crescer, mas seria muito mais fácil se o crescimento se desse de forma estruturada.

Para evitar essa situação, é preciso que, desde o início, o empresário tenha em mente que é necessário formar uma equipe, dividir tarefas e atribuir responsabilidades ao grupo, definindo os limites de autonomia de cada um, deixando claro quais decisões dependem dele e quais podem ser delegadas. Isso é essencial para que as pessoas tenham compromisso com o negócio, como se fossem donos.

Este é o caminho para o crescimento. Ou seja, não é preciso esperar o negócio ficar grande para investir em gestão. Quando começa organizada, com planejamento bem estruturado e equipe treinada e engajada, a empresa tem bem mais chances de alcançar o sucesso.

Empreender não é para qualquer um

Publicado por:
17 jan

9.31

Diante do cenário de crise econômica que o país atravessa, oportunidades escassas e desemprego em alta, muitos estão vendo o empreendedorismo como a alternativa mais viável para sair do vermelho ou até mesmo para ser seu próprio chefe e não correr mais o risco de ser demitido. São muitos os exemplos de pessoas que em momentos de crise empreenderam e tiveram sucesso, por isso explica porque muitos podem achar que abrir um negócio é a solução para a falta de emprego. Mas a realidade não é bem assim!

Empreender está na moda, mas não é um mar de rosas e não é para todo mundo. Começar um empreendimento motivado pelo desejo de não responder mais a um chefe, por exemplo, ou para fazer seu próprio horário de trabalho ou livrar o risco de novas demissões ou ainda pela expectativa de retorno financeiro rápido pode ser um grande equívoco e dar muito errado. Por isso, antes de dar um passo em definitivo, é preciso muita reflexão, pesquisa e preparação.

Empreender está na moda, mas não é um mar de rosas e não é para todo mundo. Começar um empreendimento motivado pelo desejo de não responder mais a um chefe, por exemplo, ou para fazer seu próprio horário de trabalho ou livrar o risco de novas demissões ou ainda pela expectativa de retorno financeiro rápido pode ser um grande equívoco e dar muito errado. Por isso, antes de dar um passo em definitivo, é preciso muita reflexão, pesquisa e preparação.

Além disso, a decisão de empreender deve acontecer após uma análise criteriosa de suas próprias competências. Exige pensar, principalmente, sua capacidade de correr riscos e sua disposição para o trabalho, já que, gerir um negócio costuma demandar muito tempo. Ou seja, aqueles que acreditam que poderão fazer seu próprio horário e, portanto, trabalhar menos, é melhor desistir antes mesmo de começar. A carga horária de um empreendedor é muito superior a de um empregado. Ele vive pelo empreendimento, não tem dia, noite, final de semana ou feriados. Costuma-se dizer que é como se tivessem colocado um chip na sua cabeça, responsável por não permitir que desligue por completo.

Uma outra exigência para os empreendedores é ter paciência com o tempo necessário para começar a ganhar dinheiro efetivamente. Empreendimentos, em geral, só começam a gerar lucros em médio, longo prazos. Os acostumados com um salário fixo certo no final do mês terão que se adaptar a não receber nada ou fazer pequenas retiradas por alguns meses até o negócio conseguir se firmar.

Longe de trazer uma visão pessimista sobre o ato de empreender, esses fatos refletem a realidade sem idealizações do que é começar um negócio do zero, na maioria das vezes. É por isso que é necessário enxergar o empreendedorismo como um projeto profissional, uma paixão, e não como modo de fuga de sua realidade atual. Empreender tem que ser objetivo de vida, não um plano B.