Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

A romantização do empreendedorismo

Publicado por:
03 dez

01.111 (2)

Estou pensando em largar minha carreira em uma empresa consolidada para empreender em uma área com a qual me identifico e tenho habilidade. O que devo fazer para potencializar as chances desse novo negócio dar certo?

Em primeiro lugar, precisamos deixar claro que ser dono da própria empresa não é nada fácil. Ainda hoje, muitas pessoas têm uma visão romantizada e acreditam que é preciso empreender para ser feliz, para ser bem sucedido e para ter qualidade de vida, o que pode ser um equívoco.

A grande verdade, porém, é que por mais que seja gratificante ver uma ideia saindo do papel, na maioria das vezes este caminho é cheio de dificuldades, desvios e becos sem saída. Por isso, os futuros empreendedores precisam ter uma visão muito clara dos riscos envolvidos antes de iniciarem um novo negócio, mesmo que seja em uma atividade na qual tenham grande habilidade.

No geral, a realidade do empreendedorismo é o trabalho duro. Ao se tornar seu próprio chefe, você vai trabalhar muito mais, ter mais responsabilidades e também colocar a mão na massa, às vezes, em atividades muito operacionais. Para empreender, então, você precisa estar preparado para isso e buscar se aprofundar em questões que passam pela gestão do negócio, como elaboração do planejamento estratégico, levantamento de orçamentos, estudos de mercado, precificação, construção de marca, comunicação com o público-alvo, estratégia de vendas, entre outras.

São muitos os processos por trás de uma nova empresa que precisam de atenção para que a ideia dê certo, e sabemos também que nem sempre é possível, de início, se cercar de diversos profissionais capacitados em cada uma dessas atividades. Porém, é indicado se organizar para ter, ao menos, uma pessoa com qualificação para dividir as tarefas e atribuições do dia a dia. Do contrário, você correrá o risco de não ter espaço para crescer e acabar virando um “escravo” do negócio.

E por último, mas não menos importante, é recomendado, antes de pensar em empreender, garantir uma reserva financeira mínima que seja capaz de manter o negócio e a si mesmo durante o intervalo de seis meses a um ano. Isso porque, salvo algumas exceções, quase nenhuma nova empresa dá retorno em seus primeiros meses de funcionamento e grande parte dos novos negócios fracassam não por não serem frutos de boas ideias, mas sim porque não foi lhes dado o tempo suficiente para que amadurecessem e começassem a dar resultados.

Comentários

Deixe o seu comentário