Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

A armadilha da comunicação virtual

Publicado por:
22 nov

9.0 geracaoY

Através das ferramentas trazidas pela internet e novas tecnologias, a comunicação digital e escrita tem estado, cada vez mais, presente em nossas vidas. E-mails, conversas em aplicativos de mensagens instantâneas, redes sociais que conectam pessoas de todo o mundo. Tudo isso ajuda e muito no dia a dia, mas também pode trazer grandes dificuldades, inclusive para a vida profissional.

Os avanços da tecnologia têm nos levado a passar cada vez mais tempo em atividades solitárias, tais como o uso do computador, do celular, de jogos eletrônicos, etc. E isso é percebido desde os primeiros anos de vida desta nova geração, que praticamente já nasce sabendo como usar os equipamentos eletrônicos, principalmente os smartphones.

Porém, o que percebemos é que, por trás da ilusão de vida social e interação que as redes sociais e aplicativos de mensagens sugerem, esta dependência está criando pessoas cada vez mais individualistas, introvertidas e isoladas, e isso pode influenciar diretamente no desenvolvimento profissional.

Não é difícil encontrarmos hoje, no mercado de trabalho, pessoas que não conseguem se envolver com os demais integrantes do grupo, que estão presentes apenas fisicamente, alheias a todas as discussões que não coincidam com suas próprias ideias. São pessoas quase que viciadas em se comunicar somente através do virtual, que deixam de lado os relacionamentos interpessoais e praticamente não investem no networking, dois aspectos tão importantes para o crescimento profissional.

Como esta “dependência” da internet é algo tão comum nos dias atuais, os líderes vão precisar monitorar e regular esse comportamento da sua equipe, sendo ele mesmo um bom exemplo. É preciso reforçar, estimular e promover, diariamente, a conversa presencial, a troca de experiências e opiniões, a interação dentro do ambiente de trabalho. Do contrário, ficará cada vez mais difícil nos diferenciar das máquinas que já tomam conta de grande parte do nosso dia a dia.

Comentários

Deixe o seu comentário