Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

Não quero ser gestor, então como posso crescer na carreira?

Publicado por:
01 set

01.51

Assumir cargos de gestão tem deixado de fazer parte dos planos de muitos jovens profissionais. Nem todo mundo tem perfil para gerenciar equipes, e muitos só o fazem porque pensam na melhoria financeira, status e crescimento de carreira. Mas esta não é a única oportunidade. Entenda os motivos dessa mudança de comportamento e como as empresas estão se adaptando a ela.

Existem os profissionais que pensam em crescer, mas não se veem em um cargo de liderança, já outros preferem uma rotina mais operacional. Há aqueles que acreditam que o aumento de salário e benefícios não são suficientes quando comparados à pressão e exigências que um cargo de gestão traz . E ainda, para alguns, assumir um cargo de gerência significa abrir mão da qualidade de vida.

Um engano cometido pelas empresas é promover um bom profissional acreditando que ele será um bom gestor. Isso nem sempre é verdade. É fundamental considerar os perfis e acompanhar seu desenvolvimento.

O que muitos não percebem é que há alternativas para crescer na carreira sem ter que gerenciar uma equipe, e que um Plano de Carreira pode diferenciar as atuações e destacar pessoas sem perfil gerencial. Uma delas é pensar em uma atuação como especialista. Algumas organizações têm investido em empregados extremamente qualificados para atuarem como consultores técnicos. Logicamente, isso exige da pessoa maior investimento na sua formação. Esses profissionais recebem remuneração semelhante ao gerente e ficam a serviço das áreas estratégicas da empresa.

Outra alternativa é a gerência de projetos. Nesse caso, o profissional não é gestor da equipe. Ele coordena um projeto específico com potencial estratégico para a organização. Este profissional deverá ter capacidade de articulação e de mobilização. Também precisa conhecer bem as engrenagens da empresa e ter formação em gestão de projetos.

Nos dois casos, o relacionamento com a equipe se faz com foco nos objetivos específicos, na atividade técnica ou no projeto, e não no gerenciamento direto dela. A gestão administrativa rotineira (como faltas, horas extra, metas da área) permanece com o Gerente da área. Há, portanto, alternativas para crescer na carreira sem se eleger como um péssimo gerente.

Comentários

Deixe o seu comentário