Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

O gestor e a dupla representação

Publicado por:
19 dez

7.5trainees

Ser gestor não é tarefa fácil! E muitas de suas dificuldades vêm do fato de ter como função o exercício da dupla representação, ou seja, o líder tem o papel estratégico de defender os interesses da empresa perante a equipe e os da equipe perante a empresa, tudo ao mesmo tempo. Porém, a dificuldade se dá porque essa representação precisa ser acontecer de forma equilibrada.

De modo geral, a dupla representação implica, para o gestor, em atuar de forma a preservar as posições institucionais, ou seja, preservar e sustentar as normas, valores e decisões da organização, inclusive aquelas mais incômodas. E, ao mesmo tempo, dar suporte e reforçar os pleitos e necessidades da equipe perante a alta direção. É uma função que nem sempre é fácil de exercer, principalmente porque a atuação do líder vem permeada de grandes expectativas vinda tanto do lado da empresa como da equipe.

Então, o primeiro passo para praticar com sucesso a dupla representação, é saber lidar com esse excesso de expectativas, conseguindo separar aquelas legítimas do que é fantasia (por exemplo, que o gerente pode tudo, sabe de tudo e existe para resolver todos os problemas). Essa separação é o que permitirá não sucumbir ao ideal de onipotência que se cria em torno da figura da liderança e que, muitas vezes, leva a decepções e fracassos.

Outro aspecto importante para o bom exercício da dupla é estimular a equipe a ter uma boa relação com a empresa, fundamentando as decisões do alto escalão de forma que os empregados consigam compreender a motivação. Neste sentido, construir um vínculo de qualidade com a equipe, onde a confiança seja mútua e a liderança seja exercida sem autoritarismo também pode contribuir.

Quando os empregados conseguem enxergar em seus líderes uma gestão imparcial, justa e sem privilégios, ficam mais seguros de que seus interesses e os da empresa estão sendo considerados de forma equilibrada. Por fim, o gestor precisa ser exemplo em tudo o que a organização espera dos seus empregados, sendo motivo de inspiração em suas ações e em seu comportamento.

Comentários

Deixe o seu comentário