Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

Como lidar com o empregado que força a própria demissão

Publicado por:
10 set

03.101

Não é incomum encontrarmos pessoas que estão infelizes no trabalho ou que receberam outras propostas e precisam sair do emprego atual, mas que, ao mesmo tempo, não querem abrir mão de receber todas as verbas rescisórias, retirar seu FGTS ou dar entrada no seguro desemprego, benefícios que só são possíveis quando o empregado é demitido sem justa causa. Em casos como este, muitos optam por provocar situações para forçar a própria demissão, o que pode trazer prejuízos para os dois lados.

Ocorre que o profissional desmotivado e que deseja ser demitido, muitas vezes quer se mostrar ao patrão como um peso e que, por isso, demiti-lo seria a melhor saída. Via de regra, passa a fazer o seu serviço mal feito e a negligenciar prazos, começa a chegar atrasado com frequência e até a faltar sem qualquer justificativa. É uma situação delicada e exigente, sem dúvidas, mas qual seria a melhor forma de agir?

Algumas organizações optam por segurar o profissional, mesmo ele agindo de forma inadequada, seja para não ter que arcar com os custos como também para não estimular, indiretamente, que outras pessoas façam o mesmo. Porém, é preciso cuidado, pois basta uma pessoa agindo de má fé para contaminar o clima da equipe e afetar a produtividade de todo o grupo.

Nesta tratativa, cabe ao gestor chamar o empregado em questão para uma conversa franca, buscando entender os motivos que o levam a querer sair da empresa. Vale mostrar que esse tipo de comportamento pouco profissional, além de estar prejudicando a empresa, pode prejudicar e muito a imagem dele no mercado, já que é comum que esse tipo de informação circule entre os empresários.

Além disso, vale esclarecer que, a depender dos impactos negativos das suas atitudes, ele pode até ser demitido por justa causa, colocando a perder o seu objetivo principal que seria receber os encargos trabalhistas. No fim das contas, a conversa sempre será o melhor caminho para se tentar chegar a alternativas que sejam boas para os dois lados.

Comentários

Deixe o seu comentário