Alt + Shift + C ir para o conteúdo Alt + Shift + M ir para o menu Alt + Shift + B ir para a busca Alt + Shift + F ir para o rodapé

Não tenho uma boa relação com meu gestor. O que fazer?

Publicado por:
22 jun

7.1 estagio trainee11

Não tenho uma boa relação com meu gestor imediato. Não me sinto à vontade para me aproximar e nem tenho confiança para tratar de questões mais delicadas com ele. O que fazer?

De fato, não é uma situação confortável, afinal, um bom relacionamento com o gestor é fundamental para o desenvolvimento do trabalho e quando isso não está acontecendo é importante parar para refletir um pouco e buscar alternativas de melhoria. Até porque, na maioria das empresas não é possível escolher quem vai nos gerenciar e com quem vamos trabalhar, portanto, se a intenção é manter-se no emprego, resgatar a relação com o chefe é o melhor a ser feito.

Um primeiro passo importante neste caminho é identificar quais são os motivos dessa desconfiança; tentar recordar se realmente é fundamentada em acontecimentos recorrentes, se foi gerada por algum episódio pontual ou se é fruto de algum tipo de preconceito. Muitas vezes, nos deixamos levar por impressões que não são necessariamente nossas – comentários de colegas que podem não condizer com a realidade, ou por posturas já superadas, mas que ficaram cristalizadas à imagem do gestor.

A dificuldade também pode estar ancorada na falta de sintonia entre as duas partes, seja por diferenças de estilo, de culturas, etc. Independente do motivo, é essencial fazer essa reflexão e buscar uma solução possível. Uma dica é tentar mudar a forma de enxergar o problema e procurar algo de positivo nessa relação: características comuns ou momentos em que a contribuição do chefe tenha sido válida.

Mas, mesmo fazendo esse investimento na relação, ainda assim é possível que o mal estar permaneça. Nesses casos, a recomendação é sempre deixar todas as questões relativas ao trabalho muito bem pactuadas e formalizadas: resultados esperados, metas, acordos de trabalho etc. Tudo isso para não correr o risco de deixar espaço para mal-entendidos que possam piorar ainda mais a desconfiança.

No fim das contas, a grande recomendação é tratar a questão o mais profissionalmente possível, sem levar as dificuldades para o campo pessoal nem fazer tempestade em copo d’água. É preciso ficar atento e preservar o objetivo comum que é gerente e equipe trabalhando para contribuir com o sucesso da empresa.

Comentários

Deixe o seu comentário